quinta-feira, novembro 20, 2008

...

Sinopse
"Tudo começa com o retrato de dois irmãos: um é o arquitecto visionário, o outro o seu seguidor. No entanto, ambos precisam um do outro. Eles entregam-se e a energia que daí emana leva-os à construção de uma nova cidade. É um êxito e o dinheiro corre a rodos. Dez anos mais tarde, o arquitecto morre deixando o seu irmão como único herdeiro do império. É então que por detrás da energia libertada aparecem outras forças descontroladas. O irmão ama a “mulher” do defunto, a qual parece, sempre ter amado. Mas não pode continuar a amá-la depois de tanto ter sofrido durante anos vividos à sombra do seu irmão genial. No final da peça, uma certeza: a energia, antes fecunda, tornou-se destrutiva. Mulher e irmão, de novo dependentes um do outro, entregam-se a um combate sem tréguas.

Arne LygreArne Lygre nasceu em 1968 na localidade de Bergem, é escritor e dramaturgo. Chamou a atenção internacional com as suas peças "Mamã e Eu e Os Homens", estreada em 1998, e "Subitamente Imortal", estreada em 2000.
Tem sido representado na Suécia, França, Dinamarca, Alemanha e Estónia. Entre outras distinções, em 2004 ganhou o "Brageprizen", importante prémio literário norueguês para a melhor colecção de histórias curtas. A sua penúltima peça estreou em 2005 no Nationaltheatret/Torshovteatret. Tem trabalhado como autor residente do Det Åpne Teater de Oslo. Sente-se na obra de Arne Lygre a presença dos grandes dramaturgos Escandinavos.
Ibsen, durante cinco anos (1851-1856) director do Novo Teatro de Bergen, foi um mestre na descrição da dependência dos homes e das mulheres em relação às normas sociais e na representação das suas forças explosivas.
Terceira peça de Arne Lygre, Homem sem Rumo – título [em norueguês] com um duplo sentido, tanto pode significar um homem sem intenções como um homem supèrfluo – foi representada pela primeira vez em Setembro de 2005, durante o Festival de Teatro Contemporâneo em Oslo, numa das salas anexas do Nationaltheatret. Homem sem Rumo foi muito bem acolhida pelos crìticos noruegueses.

O que nos resta hoje? Nada de especial, senão na avidez sem limites: avidez de dinheiro, da glória e do poder. O que é chocante é que o resultado é o mesmo. Poderá a capacidade de autodestruição ter outras fontes para lá das normas sociais opressoras e tão desacreditadas? Ao modernizar o contexto, ao mudar o sujeito – o conflito constante de um homem entre duas mulheres, em Ibsen, torna-se no de uma mulher entre dois homens – Lygre coloca um nome sobre o rosto da nossa época."

fonte http://www.noruega.org.pt/culture/performing/Homemsemrumo.htm

2 Comments:

Blogger UB313 said...

Homem sem rumo uma historia...interessante mas menos do que esperava...um cenário fantástico que vale a pena... nem que seja pelo cenário já vale a pena!

26 novembro, 2008 16:21  
Blogger carpe diem said...

UB313...

Também fiquei um pouco insatisfeita, achei que a história tinha mais para dar mas... O cenário estava muito bom mesmo... ;)

beijos...

26 novembro, 2008 16:48  

Enviar um comentário

<< Home